O diagnóstico de câncer, desde a descoberta até o tratamento, são momentos de mudanças físicas e psicológicas. Uma das observações dos médicos durante a escolha dos recursos terapêuticos é em relação ao paciente: crianças antes da puberdade, adolescentes e mulheres e homens jovens, que não têm filhos ou desejam ter, devem se submeter à uma maior preservação da fertilidade.

O médico oncologista deve estar atento à idade, histórico e escolha do paciente na hora de cuidar da fertilidade no tratamento da doença, porque durante esse período, podem existir mudanças – temporárias ou não – na fertilidade do indivíduo, por diversos motivos.

“Nas mulheres, pode acontecer a remoção dos órgãos reprodutivos e ação das drogas citotóxicas, quimioterapia e radioterapia, que levam à falência ovariana, menopausa precoce ou outros problemas reprodutivos. Várias técnicas podem ser aplicadas para preservar a fertilidade durante o tratamento do câncer e ficam na área da oncofertilidade – que une uma equipe de oncologia e reprodução humana. Os tratamentos atuais são diversos, dependendo do caso de cada paciente”, afirma a oncologista Ana Carolina Branco, da Multihemo Oncoclínicas.

Um deles é o congelamento de óvulos, indicado para mulheres no período reprodutivo e com boa reserva ovariana. Os óvulos maduros são congelados e, posteriormente, usados para a fertilização in vitro. O congelamento do tecido ovariano é igualmente outra técnica segura, eficaz e moderna, voltada para meninas que ainda não atingiram a puberdade.

“Também são opções o bloqueio ovariano por medicação, para proteger os ovários durante a quimioterapia, e a realocação dos ovários. Nessa última opção, uma cirurgia é feita para deslocar os ovários para outra região do abdômen, para diminuir o risco de eles serem acometidos”, explica Ana Carolina.

O cuidado reprodutivo durante o tratamento oncológico é possível, apesar dos riscos comuns de infertilidade para o paciente. A opção priorizada sempre deve ser a que dê mais qualidade de vida e saúde física e mental para cada paciente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.