Espetáculo fica em cartaz todas as sextas de agosto no Teatro Barreto Júnior

“As Bruxas de Salém”, que lotou o Teatro de Santa Isabel no último dia 19, cumpre temporada todas as sextas de agosto, no Teatro Barreto Júnior. O grupo Célula de Teatro estará em cartaz com a peça 16, 23 e 30 deste mês, sempre às 20h, com ingressos à venda no site Sympla por R$ 30 e R$ 15 (meia). Na bilheteria do Barreto, os tíquetes serão disponibilizados uma hora antes de cada sessão. 

Adaptação teatral de um dos mais horrendos capítulos da história da humanidade, “As Bruxas de Salém” volta ao teatro onde estreou – o Barreto Júnior teve casa cheia de 14 a 16 de junho, quando a companhia fez sua primeira aparição nos palcos. Já levado a Broadway e aos cinemas, o texto do norte-americano Arthur Miller é baseado em fatos reais. Trata-se de uma tragédia que envolve vinganças e interesses alimentados por medo, dogmas e histeria coletiva, que resultou em 20 mortes. Ocorrida mais de 300 anos atrás, mistura o poder da religião com o poder do Estado – e tem muito a dizer sobre os dias atuais.


O texto narra situações reais ocorridas em 1692, na vila de Salém, uma colônia da baía de Massachusetts. No palco, 21 atores e 32 personagens apresentam, em quatro atos, a história do fazendeiro John Proctor, que vive uma relação extraconjugal com Abigail Williams. Em um ritual na floresta, Abigal e suas amigas são flagradas pelo reverendo Parris, e duas delas entram em estado de letargia e perturbação. O boato de que teriam sido vítimas de bruxaria se espalha, e a população passa a crer que foram possuídas pelo demônio. O que se sucede em Salém ainda hoje choca a humanidade pela injustiça cometida contra inocentes. 

Mais de 150 moradores, homens e mulheres, foram processados pela acusação de prática do crime de bruxaria, dos quais 19 foram enforcados e um morto por esmagamento. No julgamento, o rito processual era conduzido para condenar, testemunhos eram tidos como provas irrefutáveis, e a legítima defesa era constantemente cerceada. Havia um pano de fundo de ganância, vingança e interesses pessoais escusos que tomaram proporções fora de controle, em uma histeria coletiva instigada pelo fundamentalismo religioso.

“Trata-se de uma obra de essencial importância para o entendimento do quanto a história da humanidade é cíclica. No sentido de que, quando o poder político se alia ao poder da religião com o objetivo de oprimir as pessoas, eles se tornam perigosos instrumentos de combate e tolhimento das liberdades individuais”, afirma o diretor, Domingos Soares. 

“As Bruxas de Salém” foi escrita na década de 1950 como uma resposta de Miller ao macarthismo nos Estados Unidos, quando se perseguia e condenava pessoas acusadas de serem comunistas, sobretudo ativistas políticos, artistas e intelectuais. O próprio escritor foi vítima dessa perseguição, sendo condenado e posteriormente inocentado pela Suprema Corte americana.


A ENCENAÇÃO – A obra é considerada uma tragédia do homem moderno, uma vez que, ao se martirizar por erros humanos cometidos no passado, o indivíduo se vê diante de uma escolha: permanecer vivo e ter sua honra manchada ou preferir a morte a ceder diante de seus opressores, preservando honra e valores que entende ser éticos. Em “As Bruxas de Salém”, o caminho do herói em direção a seu sacrifício guarda similaridade com a natureza das tragédias clássicas, porém sem o componente da fatalidade presente nas peças trágicas gregas, nas quais, via de regra, o indivíduo era impotente para mudar o seu destino. 

“Optei por mesclar as duas vertentes da tragédia. Trouxe para a cena a representação clássica do coro, através das referências de rituais da antiguidade grega ligados aos Mistérios de Eleusis. Neles, seus Sacerdotes e Mensageiros são chamados a viajar no tempo para interagir, registrar e acompanhar a trama e o destino trágico dos personagens da história de Salém”, relata Domingos.

Figurinos e adereços do espetáculo, compostos por mais de 150 peças, respeitam os costumes da época. “Naquela colônia de puritanos onde a lei da igreja imperava, homens e mulheres andavam cobertos, não havia ostentação de riqueza. Preservamos a atmosfera, usamos a paleta de cores da ocasião, tons neutros, sisudos, nada que chamasse a atenção”, explicam Roseane Tachlitsky e Winy Mattos, que assinam a pesquisa e a concepção dos figurinos. O contraste aparece no coro grego. Cores mais fortes, tons terrosos vestem os Mensageiros de Eleusis, que observam toda a peça. As máscaras do coro foram confeccionadas em couro simulando metal por artesãos de Bezerros. 


CÉLULA DE TEATRO – A companhia foi fundada em 2017 por atores egressos de cursos de teatro do Recife. À frente da direção artística, está Domingos Soares, que, com mais de 30 anos de teatro, dirigiu cerca de 15 montagens de autores como Shakespeare, Nelson Rodrigues, Ariano Suassuna, Dias Gomes e Guarnieri. Seus espetáculos foram encenados em mais de 30 cidades do Nordeste e vistos por mais de 300 mil pessoas. É membro-fundador do Teatro Popular de Arte, em Petrolina, que em 2019 completa 30 anos em atividade no sertão pernambucano. 



Ficha Técnica:

Elenco: Ana Fragoso, André Barros, André Lombardi, Arthur da Matta, Domingos Soares, Flávio Moraes, José Miranda, Karol Spinelli, Letícia Lopes, Maria Eduarda Maia, Mariana Lins, Marília Linhares, Nemu Campos, Olga Valença, Paula Mendes, Paulo Sérgio, Raffa Rodrigues, Renata Mello, Roseane Tachlitsky, Selma Camêlo, Winy Mattos.

Texto: Arthur Miller
Direção: Domingos Soares
Cenografia: Flávio Moraes
Figurinos: Roseane Tachlitsky e Winy Mattos
Confecção de Figurinos: Ateliê Margarida Melo
Confecção das Máscaras de Couro: Ateliê Josy & Cláudio (Bezerros)
Iluminação: Elias Mouret
Execução de Iluminação e Sonoplastia: Rafael Anaroli e Sabrina Celi
Maquiagem: Ana Fragoso e Hugo Albuquerque
Programação Visual: China Designer
Fotografia: Thiago Farias Neves
Produção Executiva: Ricardo Scholz, Paulo Sérgio, Paula Mendes, José Miranda, Winy Mattos, Selma Camêlo, André Barros e Domingos Soares
Apoio: CEPE e Sindifisco

Duração: 120 minutos
Classificação: 16 anos



SERVIÇO
As Bruxas de Salém
Dias 16, 23 e 30 de agosto (sextas), às 20h
Teatro Barreto Júnior: Rua Estudante Jeremias Bastos, s/n, Pina

Informações: 3355.6398

Ingressos:
R$ 30 e R$ 15 (meia)
Venda antecipada no site Sympla
Na bilheteria do teatro uma hora antes de cada sessão

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *