Interações sociais mediadas por aparelhos eletrônicos, como celulares e computadores, se tornaram uma realidade mundial, principalmente entre estudantes. Alunos de todas as idades se viram diante de um novo desafio: aulas à distância. Para muitos, a nova metodologia pode garantir mais conforto e flexibilidade de horários, mas é preciso manter o foco e a atenção afiados. 

Estudos no meio virtual exigem autodisciplina, autocontrole, concentração e raciocínio lógico – habilidades cognitivas e socioemocionais, que podem ser desenvolvidas a partir de exercícios para o cérebro. “Nós sempre usamos todo o potencial cerebral, mas é possível ampliar seus recursos se desenvolvermos mais conexões neurais. Quanto mais desenvolvermos novos circuitos, mais recursos teremos para resolver novos desafios”, diz Solange Jacob, Diretora Acadêmica do Método Supera, que possui unidade em Olinda. 

Quando desafiamos a mente com atividades que nos tiram do piloto automático – como neuróbicas (escrever com a mão não dominante, por exemplo), jogos, exercícios cognitivos ou o ábaco (principal ferramenta do Método Supera) – estimulamos a construção de sinapses e melhoramos a qualidade das conexões, potencializando assim as habilidades essenciais para ter bons resultados nos estudos em casa. 

A aluna do Método Supera Olinda Júlia Vieira, 11, percebeu na prática as vantagens de praticar ginástica cerebral. “O Supera está me ajudando a ter mais concentração nas aulas online. Com o método eu consigo focar mais no assunto da escola, ao invés de olhar para o que está ao meu redor”, destaca a estudante, que faz Supera há um ano. 

O Método Supera preparou algumas dicas essenciais para melhorar a concentração e a atenção nas aulas online:

  • Observe o que acontece ao seu redor: Antes de tudo, faça uma auto-observação. Avalie sua reação diante de uma tarefa complicada, quanto tempo leva para solucioná-la e, principalmente, com que frequência perde a concentração
  • Bloqueie os estímulos: Feche a caixa de e-mails, desligue o celular e fique off-line nas redes sociais por um determinado tempo. Além de conseguir terminar suas atividades, será possível observar o que está tirando sua atenção. Estabeleça o que é prioridade em cada momento.
  • Determine o que merece sua atenção: Estabeleça uma meta para seu foco. Comece o dia pensando nos assuntos que vão exigir mais tempo e mais cuidados. Priorize e tenha essas atividades como seu objetivo para concentração.
  • Use o período mais produtivo a seu favor: Cada pessoa produz mais em determinado período do dia. Aproveite essas horas de pico de criatividade e produção e não gaste tempo resolvendo outras tarefas que podem esperar.
  • Quebre a rotina com música: a ciência já provou que é possível trabalhar ou estudar enquanto você ouve sua playlist favorita. Isso pode trazer sensação de bem-estar e faz com que os períodos de concentração e distração sejam alternados. Mas, lembre-se: a trilha sonora deve ser conhecida, pois a intenção é relaxar e não permanecer envolvido demais com a música.
  • Faça cálculos no ábaco: exercitar a concentração não é uma tarefa fácil. Contudo, pode ser divertida e trazer muitos ensinamentos. Nas aulas de ginástica cerebral do Supera, o aluno é instruído a fazer os cálculos matemáticos no ábaco enquanto escuta sons de chuva, multidão e etc. Nessa neuróbica (exercícios para os neurônios) o aluno aprende que o ganho da concentração é gradativo e que o treino com ábaco pode potencializar a concentração.
  • Organize o ambiente: por um lado, mesas desorganizadas podem ser aliadas na busca pela criatividade, mas se o seu objetivo é concluir as tarefas, a dica é manter tudo organizado. Isso acontece porque o sistema nervoso tende a se espelhar no ambiente externo.
  • Forneça energia para o corpo e para o cérebro: uma dieta balanceada também é importante. Comer muitas fibras e quantidades moderadas de gordura e proteína, faz com que seu corpo gaste mais tempo na digestão. Dessa forma, a energia vai para o seu cérebro em um fluxo constante e moderado, melhorando a performance e a capacidade de atenção e concentração a longo prazo.
  • Saiba a hora de dar uma pausa: para a neurociência, o cérebro consegue se manter concentrado em uma determinada tarefa no período máximo de 50 a 60 minutos. A dica é estudar durante esse tempo e depois fazer uma pequena pausa de 10 minutos. Dessa forma, as áreas que estão em atividade “descansam” para a próxima jornada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *