22º Cine PE chega à reta final

Com a exibição dos quatro curtas e um longa-metragem, na noite desta segunda-feira (04), a 22ª edição do Cine PE – Festival do Audiovisual caminha para seu fim. A última noite de projeção levou ao tradicional Cinema São Luiz, no Centro do Recife, as últimas produções que integram as Mostras Competitivas de Curtas-Metragens Pernambucanos e Nacionais e a Mostra Competitiva de Longas-Metragens.

Quem abriu as exibições foi o curta pernambucano “Edney”, de João Roberto Cintra. A ficção ambientada nas ruas do Recife acompanha a história de Ed, um rapaz retraído que de dia ganha a vida lavando pratos, e de noite performa ao estilo do cantor Ney Matogrosso. Em seguida, o festival abriu as portas para “Seja Feliz”, de Diego Melo. A trama imagina uma realidade distópica na qual a vida e a morte foram “privatizadas”. “Sweet Heart”, de Amina Jorge, captura com sutileza as contradições entre reclusão e liberdade em uma cidade como São Paulo. Por fim, foi exibido o documentário “Cine S. José”, de William Tenório.

Um dos filmes mais esperados da noite, o longa “Meu Tio e o Joelho de Porco”, de Rafael Terpins, encerrou a programação. Antes da exibição, Terpins falou sobre o poder da produção audiovisual: “Este filme me permitiu usar a mágica do cinema para fazer uma coisa que a ciência não consegue, que é trazer os mortos de volta à vida. Para mim, foi uma experiência maravilhosa rever meu tio e expor como foi viver com e sem ele”. A película resgata, por meio de um road movie por São Paulo, verdades e mentiras sobre o conjunto de Seu Tico, o legendário punk-satírico Joelho de Porco.

Na manhã desta terça, o evento promove uma sessão fechada para alunos de escolas públicas, com a animação francesa “A Bailarina”, de Eric Summer e Eric Warin. Às 10h, no Hotel Nobile Executive, em Boa Viagem, acontecem as últimas coletivas de imprensa com os realizadores dos filmes exibidos na segunda.

O festival se despede na noite da terça-feira (05), quando acontece a entrega dos prêmios e um pocket show do cantor Almir Rouche.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *